Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Traumas que abalam os nervos

Os nervos periféricos, com milhares de fibras nervosas, formam uma das estruturas que contribuem para o funcionamento do nosso organismo. Fazendo a conexão do cérebro e da medula espinhal com músculos e órgãos, controlam movimentos e sensações e são fundamentais, entre outras funções, para o coração bater e para conseguirmos andar. Mas eles podem ser lesionados, seja por um trauma causado por uma queda ou um acidente de trânsito, ou por um tumor, resultando em lesões que prejudicam as atividades do corpo humano.

Costumamos chamar essa ocorrência de neuropatia periférica traumática, que é a lesão de um ou mais nervos periféricos resultado dos efeitos diretos ou indiretos (secundários) de traumatismos. O trauma é o motivo mais comum de lesão. Do tipo súbito, causado por acidente automobilístico, queda ou atividades esportivas, pode comprimir, romper ou provocar o estiramento do nervo.

No entanto, lesões menos traumáticas também podem causar danos.

Exemplo são os microtraumas decorrentes de atividades esportivas, que, por consequência, podem levar à compressão dos nervos adjacentes. As consequências do trauma são variadas, podendo resultar em múltiplos mecanismos, principalmente acidentes diversos.

O problema pode ser diagnosticado por exames neurológicos e por eletroneuromiografia que avalia a função do sistema nervoso periférico e muscular por meio do registro de respostas elétricas. O diagnóstico ocorre mediante a suspeita clínica de lesão nervosa, resultante de queixas de acometimento de fibras nervosas sensitivas, motoras e autonômicas de um ou mais nervos e confirmada por exames.

Os sintomas dependem da distribuição dos nervos acometidos. Em certas ocasiões pode haver acometimento dos plexos, que é o  entrelaçamento dos filamentos e vasos sanguíneos e nervos, e/ou raízes nervosas, que se originam na medula espinhal e estão associadas a quadros mais graves. As manifestações clínicas vão depender do nervo acometido. Dessa forma, o repertório de movimentos executados por um nervo, ou nervos, será perdido completamente ou parcialmente, bem como alterações da sensibilidade no território de inervação do nervo e alterações do controle vasomotor.

Dependendo do tipo e características do trauma, podem ser realizadas descompressões dos nervos afetados para a prevenção de lesões continuadas e repetidas. Nas lesões extensas do plexo braquial (braço) com prognóstico ruim pode ser tentada a realização de enxertos nervosos. O tratamento também inclui controle da dor neuropática com antidepressivos e anticonvulsivantes, bem como reabilitação da região afetada com fisioterapia.

A descompressão pode ter efeito curativo ou, pelo menos, controlar a progressão da neuropatia. A reabilitação funcional com tratamento da dor e fisioterapia pode contribuir para a restituição da função comprometida nesses casos.

 

Dr. Francisco Gondim

Neurologista. Coordenador do Departamento Científico de

Neuropatias Periféricas da Academia Brasileira de Neurologia.

  • Criado em .

Jornal Agora

Rua Juca Leão, 65, Centro, Itabuna - BA
Telefones: (73) 3613-5504
Fundado em 28 de julho de 1981 Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

© Copyright 2009 / 2017 Jornal Agora   |   Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: