Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Neste espaço já falamos de tudo. História, política, futebol, rádio, enterros... Hoje vamos falar de coisas do cotidiano. Um dia desses qualquer falaremos do Jardim da Praça Olintho Leone, que já foi chamado de Jardim da Prefeitura. Ali começaram aos domingos muitos namoros que viraram casamentos e até divórcios. Mas esse é assunto para futuro próximo.

Nossa história hoje, coincidência ou não, começa no jardim da praça da Prefeitura. Era hábito, ali pela década de 60, que o jardim “fechasse as suas portas” por volta das 22 horas. Ou melhor dizendo, era como se falasse à época, “se soltou o homem nu”.

Onde hoje é o Banco do Brasil funcionava o Itabuna Clube, entidade de cunho social que, como clube, abrigava um número importante das principais famílias de Itabuna e que todos os domingos iam ao clube para dançar de rosto colado, beber e se divertir.

Na época três figuras se sobressaiam no Itabuna Clube: o presidente Adélcio Benício dos Santos, um advogado durão que alguns consideravam mal-educado, o porteiro Jacinto, sempre a tentar elevar as calças com os cotovelos e o diretor social Jorge Vasconcelos, também conhecido por Jorge Tomate, hoje importante secretário municipal, que organizava as tradicionais e bem concorridas domingueiras ao som da banda de Joel Carlos. E a festa rolava até às primeiras horas da segunda-feira.

Numa dessas noites, entusiasmado com a casa lotada e “gente saindo pelo ladrão” o diretor social viu que um domingo só não era suficiente para atender aos bailes ou outros eventos sociais que o clube promovia.

E foi dentro desse entusiasmo juvenil que Jorge Vasconcelos interrompeu a festa, pediu para os músicos pararem os seus acordes, pegou o microfone e anunciou:

“A partir desta semana as domingueiras do Itabuna Clube também serão às quintas-feiras...”

Que nome teriam... só Jorge para explicar.

 

Texto romanceado pela Editoria de História do AgOra

  • Criado em .

Dr. Iuri Weinmann

 

Duas a cada 100 pessoas, em média, têm um aneurisma no cérebro, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas a imensa maioria jamais irá descobrir este fato. O aneurisma cerebral é uma doença silenciosa, quer dizer, não apresenta sintoma algum ao longo da vida, a não ser, é claro, quando ele se rompe. O aneurisma é causado pelo enfraquecimento da parede de uma das artérias sanguíneas que irrigam o cérebro. Quando esta artéria está fragilizada, com a pressão do sangue forma-se uma espécie de “balão”, cujo termo médico é aneurisma.

Cerca de 9 a cada 100 mil pessoas irão vivenciar o rompimento do aneurisma, que causa hemorragia. Ele é fatal em 50% dos casos. Dos que sobrevivem, aproximadamente 66% vão ter sequelas. Assim como muitas doenças, o aneurisma cerebral ainda é cercado de mitos. Saiba o que é verdade e o que é mentira.

O primeiro é que algumas pessoas podem nascer com anormalidades nas paredes dos vasos sanguíneos ou com alguma doença hereditária que agrava possíveis problemas nas paredes arteriais, predispondo-as a um aneurisma. Entretanto, os fatores externos são as principais causas, como o fumo e a hipertensão. Uma segunda verdade é que é possível ter mais de  um aneurisma de uma vez. Dados da American Association apontam que se a pessoa tem um aneurisma, há entre 15% e 20% de chance de ter outro.

Uma terceira observação é um mito. Não há prevalência do sexo masculino sobre quem tem mais a doença. Três mulheres a cada dois homens sofrem com a condição. Outro dado que pesa contra as mulheres: quando o aneurisma se rompe, elas têm 74% mais chance de ter hemorragia subaracnóidea, segundo estudo publicado na revista Neurology. A HSA, que é o extravasamento do sangue para o espaço entre o cérebro e o crânio, é um dos eventos mais catastróficos da medicina. A letalidade é de 50%.

É uma meia verdade dizer que os sintomas do aneurisma parecem com os do AVC. Muitas pessoas passarão a vida sem saber que tinham um aneurisma. Mas, quando os aneurismas crescem, eles podem pressionar determinadas áreas do cérebro, causando sintomas que são idênticos aos de um AVC, como, visão dupla, perda de equilíbrio e problemas na fala. Por outro lado, uma quinta observação é absolutamente verdadeira. Uma das causas do AVC é o rompimento de um aneurisma e neste caso estamos falando do acidente vascular cerebral hemorrágico, que além da hemorragia, causa aumento da pressão intracraniana e inchaço no local. Também é verdade que o aneurisma poder ser confundido com uma enxaqueca, uma dor de cabeça fortíssima e até incapacitante, podendo vir acompanhada de náusea, vômito, fotofobia, visão dupla e até perda de consciência. Quando os pacientes se vêm vítimas de fortes dores de cabeça, é importante levar essa pessoa imediatamente para um hospital.

Um estudo publicado na revista Stroke mostrou também ser verdade que o sexo (4,3%) é um dos gatilhos para o rompimento de um aneurisma. O consumo de café faz crescer o risco para 10,6% e atividade física vigorosa para 7,9%. O tratamento do aneurisma depende de requerer grandes cirurgias. Se o aneurisma é muito pequeno, pode-se decidir por apenas fazer um acompanhamento ou por uma cirurgia minimamente invasiva. A cirurgia tradicional chama-se craniotomia. Por meio de uma pequena incisão no crânio, o médico implanta um clipe metálico entre o vaso normal e o aneurisma. Pode demorar mais de quatro horas. Mas graças ao avanço das técnicas cirúrgicas, hoje é possível realizar a embolização endovascular. Esta técnica reduz as taxas de morbidade e mortalidade.

 

Neurocirurgião da Clínica Weinmann

  • Criado em .

Em janeiro próximo assume a presidência da Câmara de Dirigentes Lojistas de Itabuna, mais uma vez, o empresário de comunicação Carlos Veloso Leahy e no mesmo mês assume a presidência do Sindicato do Comércio Varejista de Itabuna o empresário do ramo de confecções e calçados Rolemberg Macedo dos Santos.

Experientes e com larga vivência na atividade empresarial os novos dirigentes da CDL e do SINDICOM estão com planos de dinamizar o comércio de Itabuna em parceria também com o jovem dirigente da ACEI Sérgio Velanes, que assumiu em julho deste ano.

Depois que perdeu uma área territorial rural importante com os desmembramentos de Ibicaraí, Buerarema, Itapé, Floresta Azul e outras cidades do seu entorno, Itabuna perdeu também o título de grande área rural onde o cacau sempre representou peso importante em sua economia.

A cidade hoje tem uma área urbana de mais de noventa por cento e a saída, com a perda de território, foi investir fortemente na área comercial e de serviços, se tornando num dos mais importantes polos comercial, de serviços, indústria, saúde e educação do interior da Bahia.

Itabuna tem uma rede hospitalar e de clínicas de respeito, inúmeras faculdades, universidade, lojas convencionais e um shopping em constante evolução, o que torna o seu comércio um dos mais atraentes dentre as cidades baianas.

E porque é importante o retorno de Carlos Leahy e Rolemberg Macedo às duas importantes entidades e a parceria com Sérgio Velanes, que preside a mais antiga instituição do comércio de Itabuna. Prometem atuar juntas. Uma é promocional, outra sindical patronal e a outra associativista, que às vezes se confundem em suas atuações promovendo atividades correlatas. Nada mais acertado que promoção, sindicalismo e entidade de classe andem juntas para impulsionar o comércio de Itabuna.

Leahy dirigiu a CDL por dez anos, Macedo por seis e Velanes é o mais novo dirigente, mas com um cabedal de notável experiência à frente do seu grupo empresarial.

E nada do que dissemos até agora aqui vai como comparação ou ao encontro da atuação dos gestores atuais ou ex-gestores, respectivamente Jorge Braga, Eduardo Carqueija e Ronaldo Abude, que, cada um ao seu modo, souberam manter acesa e viva a chama do entusiasmo no comércio.

Este editorial de hoje é voltado, com fé e esperança, para que os novos tempos do comércio, num momento em que se desenha uma recuperação do país com fortalecimento da economia, se transforme na realidade que todos esperamos.

  • Criado em .

 

VAI PIORAR        

Se o fluxo de veículos na llhéus/Itabuna já é intenso e causa engarrafamentos, imagine quando da inauguração do Hospital da Costa do Cacau. Um hospital daquele porte situado numa das estradas mais movimentadas do sul da Bahia vai trazer muitos problemas por conta das centenas de ambulâncias que vão circular por ali diariamente. Somem-se a isso, caminhões-tanques, carretas, caminhões- baús, caminhões com todo tipo de produtos que seguem para o porto de Ilhéus, ônibus e carros de passeio.

 

CONTRAMÃO 

Ao invés de paralelamente se duplicar a rodovia se prioriza um equipamento de saúde dos mais importantes numa localização estratégica, mas equivocada. Entramos de vez na contramão da história.

Uma loucura.

 

APROVADO        

Orgulhoso e ostentando um largo sorriso o advogado Tarik Fontes Neto comemorou sua aprovação para o mestrado em Direito Tributário  pela FGV Fundação Getúlio Vargas) driblando milhares de inscritos de todo o país.

Congratulations.

 

RECADINHO INTELIGENTE

A falta de pessoal qualificado deixa o amadorismo à mostra.

 

REPERCUSSÃO         

Mais de 20 mil pessoas foram atendidas no Mutirão do Diabético que reuniu centenas de instituições púbicas e privadas ligadas à saúde além de uma equipe de voluntários que se empenhou durante todo o dia na Praça rio Cachoeira.  O oftalmologista Rafael Andrade idealizador do evento celebra o grande momento que teve repercussão internacional.

 

FIFTEEN YEARS   

 

Os quinze anos de Mariana Kruschwesky além da descontração e da modernidade foram  comemorados do jeito que ela mais gosta: dançando e dando um show na pista do Terceira Via.  O bufê foi de Tadeu Henrique e o estilista Mar Ramos assinou o lindíssimo modelito.

No sábado, dia 25.

     


Presidente da Asdita Associação dos Diabéticos de Itabuna), Marluce Leão com a pneumologista Rosângela Melo no Mutirão do Diabético.


Thais Oliveira Barros ganhou almoço de birthday na segunda, dia 27, pilotado pela mãe, Roberta Oliveira

 



A debutante do ano, Mariana com os pais Ramilli e Luizinho Amaral.

 


Glorinha e Ruy Nunes em evento social de luxo no Golden Room do Copacabana Palace, no Rio.


Tarik Neto brindando a conquista do mestrado em Direito Tributário com Maninha  e Eduardo Fontes e amigos mais chegados.

 

 

 

 

 

 

  • Criado em .

Dicas de Direito do Trabalho

 

Sou médico clínico e fui sondado por uma fábrica de sapatos de couro situada na cidade em que atuo, para prestar serviço como clínico geral e médico coordenador do PCMSO. Não tenho formação em medicina do Trabalho. Poderei exercer essa função? Andrei Matos.

 

O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) é regulamentado pela Norma Regulamentadora (NR) nº 07, do Ministério do Trabalho. Este se constitui num conjunto de estudos de ações que visam à manutenção da saúde e à prevenção de doenças ocupacionais e de acidentes de trabalho. Engloba a realização de uma série de exames médicos antes, durante e com a extinção do contrato de trabalho. A sua elaboração é obrigatória para todas as empresas, bastando que tenham ao menos um empregado celetista em seus quadros. Cabe ao patrão elaborar, implementar e custear todos os procedimentos relacionados ao PCMSO.

O empregador deverá indicar, dentre os médicos dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da empresa, um coordenador responsável pela execução do citado programa. Contudo, a empresa poderá estar desobrigada de ter um SESMT Somente aquelas que obedecerem às exigências do dimensionamento deverão ter SESMT. Para se verificar se a empresa está compelida a criar esse serviço e com que composição, leva-se em conta o grau de risco da atividade principal da empresa e o número de empregados que ela possui. A empresa deverá designar um médico para coordenar o PCMSO.

 Este terá que ser sempre um médico; entretanto, se não precisar ter SESMT, esse profissional poderá ser empregado ou um prestador de serviço sem vínculo celetista. Por outro lado, se inexistir médico do trabalho na localidade, o empregador poderá contratar médico de outra especialidade para coordenar o PCMSO. Esta é a situação em exame. Fabricação de calcados de couro é a atividade principal da empresa. Ela tem grau de risco 3 que, combinado com o total de empregados aí existente, permite aferir o dimensionamento do SESMT, conforme Quadros I e II da NR 7. Se houver médico do trabalho na composição do SESMT, ele será o coordenador do PCMSO. Se a cidade onde estiver localizada a fábrica não tiver médico do trabalho, poderá ser designado outro médico para exercer tal função, seja ele contratado pelo regime celetista ou autônomo. Por oportuno, o componente do SESMT não poderá, em seu expediente, exercer outras funções a não ser aquelas relativas à segurança e à medicina do trabalho. Se o integrante do SESMT, não poderá acumular tais funções com a de clínico geral.

 

Advogado. Pós-graduado em Direito Público e Privado. Membro-fundador da Associação Sul Baiana de Advogados Previdenciaristas (Asbap). Membro-idealizador-fundador e Vice-presidente da Academia de Letras Jurídicas do Sul da Bahia (Aljusba) e autor dos livros “Breves Análises Jurídicas”, “Dicas de Direito Imobiliário” e “Dicas de Direito Previdenciário” (Direitos Editora). Itabuna – Bahia /

(73) 98852 2006 – 99134 5375 e 3613 2545.

 

Os interessados em enviar perguntas sobre Direito Trabalhista ou Previdenciário para Dr. Vercil Rodrigues, encaminhar para os

e-mails: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

  • Criado em .

Antonio Nunes de Souza

 

Conto nos dedos os dias que faltam para a comemoração do Natal! Pareço mais uma criança, que um experiente e vivedor de “natais” por quase uma centena de anos!

Mas, para pessoas sensíveis, solidárias, fraternais e com determinada dose de religiosidade, esse maravilhoso evento tem um significado bem maior que dar e receber presentes. Embora essa parte seja bonita, festiva, alegre e atraente, não existem músicas que mais toque o nosso coração que as antigas sempre atuais, dedilhadas em harpas paraguaias, ou cantadas pelos nossos gabaritados cantores. E, se são executadas por corais, tornam-se verdadeiras doses de impacto emocional, nos fazendo as lágrimas chegarem aos nossos olhos!

Pode-se dizer que, por menos sensíveis que sejamos, jamais deixaremos de fazer um parêntese nessa ocasião e, cheio de felicidades e encantos miraculosos, entrar de “sola” na onda do Papai Noel. Tudo é de um encantamento sublime, os enfeites nas cidades, com luminosidade ultracolorida, velhinhos artificiais nas portas das lojas, árvores de Natal nas praças, jardins, vitrines, sendo que, nos shopping são as maiores e mais preciosas!

Certamente, alguém vai dizer que apelei para o saudosismo. Mas, é uma pura verdade, pois, desde criança que essa época me fascina, logicamente, me lembrar dela com docilidade e carinho, passou a ser mais que uma obrigação. Uma doce e meiga adoração e devoção!

Vamos todos explodir de bondade e solidariedade, lembrar, principalmente, que a comemoração é do aniversário de Jesus e, rememorando o que Ele nos ensinou, “amarmos uns aos outros como se fosse a si mesmo”!

Está chegando a hora, então...dê um bom lustro no seu sapatinho para colocar na janela, com o bilhetinho pedindo seu presente. E, se por acaso não for agraciado, simplesmente é porque não está ainda na hora que Papai Noel acha que você está merecendo!

Mas, espero que todos tenham uma NOITE FELIZ!

 

*Escritor-Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAl

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

antoniomanteiga.blogspot.com

  • Criado em .

Cláudio Zumaeta

 

Se não há amizade, não há razão para ser feliz. Se não há amizade, nada importa. A amizade é o caminho para a felicidade. Todos os momentos vividos, ou por se viver, foram ou serão inúteis sem a amizade como guia...

O filósofo alemão, Nietzsche (1844-1900), disse: “alegrando-se por nossa alegria, sofrendo por nosso sofrimento – assim se faz um amigo”. Este é, precisamente, o ponto central: é “fácil” sofrer com o sofrimento do amigo, contudo, nem sempre alegramo-nos com a sua alegria, sendo mais comum a inveja. Se, no entanto, a amizade é verdadeira, e imensurável, sendo parte do nosso jeito de viver, amar e perceber a vida, então, nos sentiremos felizes com a felicidade do nosso amigo.

Outro grande filósofo, o francês Voltaire (1694-1778), refletindo sobre a amizade, sentenciou: “A amizade é um contrato tácito entre duas pessoas sensíveis e virtuosas. Sensíveis porque um monge ou um solitário podem ser pessoas de bem e mesmo assim não conhecer a amizade. E virtuosas porque os malvados só têm cúmplices; os festeiros, companheiros de farra; os ambiciosos, sócios; os políticos, tão-somente partidários; os vagabundos apenas contatos; e os príncipes, cortesãos – mas, só as pessoas virtuosas têm amigos.”

E se você vive uma amizade assim intensa, sensível e virtuosa, então você é uma pessoa feliz. Pois, a felicidade é tudo aquilo que torna a nossa alma mais leve a cada encontro. E a leveza da alma é tudo aquilo que não sabemos explicar com as palavras, no entanto, sentimos, suavemente, aquecer nossos corações, fortalecendo-nos a vida para enfrentarmos todas as suas batalhas.       

Antoine Saint-Exupéry (1900-1944), chamou a atenção para o fato de que a amizade tem que ser cativante para ser completa: “não posso brincar contigo, pois ainda não me cativou!” Disse a raposa para o principezinho. E logo em seguida ela mesma, concluiu: “ser cativado é ser único um para o outro...”. Noutra passagem de “O Pequeno Príncipe” a raposa se despede, e então o principezinho diz: “Você quis que eu a cativasse, agora estou indo embora e você esta chateada?! Não acha que foi perda de tempo?”. “Não!” Respondeu a raposa: “você me fez sentir muito importante”.

Eis tudo: nós somos muito importantes para nossos amigos.

A essa altura já melhor compreendemos o significado de duas outras passagens contidas n’O Pequeno Príncipe: “Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativas”. E ainda: “O essencial é invisível para os olhos”. São frases que nos revelam o tesouro da existência! Afinal de contas, a vida não seria possível sem a amizade para cuidar do nosso bem maior – nossos sonhos na busca pela felicidade.

E isto não é algo novo. Veja só o que Aristóteles (384 a.C-322 a.C) escreveu em “Ética à Nicômaco”: os amigos “são nosso refúgio na pobreza e no infortúnio; ajudam os mais jovens a evitar os erros; ajudam as pessoas idosas amparando-as em suas necessidades; estimulam as pessoas na plenitude de suas forças à prática de ações nobilitantes, pois, com amigos as pessoas são mais capazes de pensar e de agir”.

Que maravilha! Os amigos nos tornam “capazes de pensar e agir”. É então pelo filtro da amizade que nos tornamos sensíveis e virtuosos. Enfim, graças aos amigos que sempre estão nos apoiando, incentivando, estimulando, fazendo “pensar e agir” poderemos ser felizes. A lista dos amigos é grande e não cabe aqui neste espaço, por isso presto minha homenagem a todos, abraçando-os, por intermédio destas palavras. Muito obrigado.

Por último, recorro a Epicuro (341 a.C-270 a.C) o filósofo da amizade, para apertar ainda mais aquele meu abraço anterior: “de todas as coisas que a sabedoria nos oferece para a felicidade da vida, a maior é a Amizade”.  

 

Historiador graduado pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC, Ilhéus – BA)  Administrador de Empresas graduado pela Universidade Católica de Salvador (UCSAL, Salvador – BA). Especialista em História do Brasil (UESC, Ilhéus – BA). Mestrando em História Regional e Local (UNEB Campus V, Santo Antonio de Jesus. Membro da Academia Grapiúna de Letras (AGRAL)..

  • Criado em .

Poderíamos começar este editorial sem qualquer preocupação com o gênero. Afinal, a enfermagem abriga homens e mulheres, mas assim o fazemos por considerar que apesar dos muitos amigos homens que temos na profissão, grande parte competentes e excelentes profissionais, não podemos negar que o gênero feminino sempre foi maioria, não só absolutamente fantástica, mas também estudiosa, eficiente e competente.

      Dos mais concorridos vestibulares da faculdades espalhadas pelo Brasil o concurso para Enfermagem vem atraindo cada vez mais um número impressionante de candidatos. A valorização da profissão, infelizmente ainda não reconhecida em termos salariais, é algo que salta aos olhos.

      Logo no início do próximo mês de abril acontece em São Paulo, no Transamérica, o CONDEPE 2018, que trará o que há de mais atual na enfermagem, tanto no campo científico quanto prático. O conhecimento, expertise e a habilidade de palestrantes altamente gabaritados serão compartilhados com enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, além de gestores e instituições de saúde.

      Esse CONDEPE, que para quem não conhece a sigla é o Congresso de Desenvolvimento Profissional em Enfermagem, segundo a sua presidente Renata Pietro, será de fundamental importância para a categoria e dá a certeza que as nossas instituições tudo farão para se fazerem representar no certame, através dos seus mais virtuosos colaboradores. Segundo Renata o congresso, que deverá receber cerca de quatro mil participantes, destacará questões do dia-a-dia, como a estrutura de segurança, a importância do trabalho em equipe, planejamento de ações, recursos necessários e adequados à intervenção qualificada no cotidiano da enfermagem.

A ideia é fazer com que os profissionais aprendam pela vivência, além de compartilhar conhecimento e experiências com os palestrantes e os próprios congressistas. Propõe ainda, que todos desenvolvam e aprimorem suas práticas, focando no cuidado seguro e garantindo que, com a educação continuada adequada, haja uma intervenção mais eficaz.

A programação do CONDEPE 2018 contempla as diversas áreas de enfermagem, como atendimento básico ao paciente neonatal, assistência domiciliar, cuidado aos doentes críticos e em grave estado, urgência e emergência, terapia nutricional e intensiva, feridas e estomas, traumas, estética, saúde e enfermagem forense.

A enfermagem, aí incluídos os enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e as próprias instituições de saúde, não podem perder essa oportunidade.

  • Criado em .

Jornal Agora

Rua Juca Leão, 65, Centro, Itabuna - BA
Telefones: (73) 3613-5504
Fundado em 28 de julho de 1981 Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

© Copyright 2009 / 2017 Jornal Agora   |   Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: